CONTACTOS

Praça de Londres, 1000-074 Lisboa
Tlf. 218437450

Igrejasjoaodeus@gmail.com
www.paroquiasaojoaodeus.pt

MESTRE DOMINGOS REBELO

Biografia
Domingos Maria Xavier Rebelo nasceu em Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel, a 3 de Dezembro de 1891. Desde muito novo revelou talento para o desenho e para a pintura. Com apenas treze anos de idade iniciou-se publicamente no mundo das artes como amador. Tal facto mereceu a atenção dos Condes de Albuquerque que viriam a custear os seus estudos em Paris. Foi aluno de Viçoso May, então director da Escola de Artes e Ofícios Velho Cabral e que soube acalentar os seus dotes artísticos ainda em embrião.

Aos quinze anos partiu para Paris onde frequentou a Academia Julien e Curso Livre na Grand Chaumière, tendo sido, na primeira, discípulo de Jean-Paul Laurens. Aí viveu seis anos, convivendo com outros nomes da pintura portuguesa como Amadeu de Sousa Cardoso, Santa Rita, Dórdio Gomes, Eduardo Viana, Manuel Bentes, Pedro Cruz e outros, no ambiente em que se fazia sentir a originalidade dos modernistas Cèzanne, Matisse e Modigliani. Foi nesse meio artístico que Domingos Rebelo aperfeiçoou a sua incipiente formação técnica.

Em 1913 estava de regresso à sua ilha natal onde permaneceu trinta anos, deslocando-se de vez em quando a Lisboa, participando com regularidade nas exposições anuais da Sociedade Nacional de Belas Artes. Das obras aí apresentadas, três foram adquiridas para o Museu de Arte Contemporânea e uma o retrato do Marechal Gomes da Costa - para o Museu da Marinha. Alcançou os prémios Silva Porto, Rocha Cabral e Roque Gameiro e a Medalha da Sociedade Nacional de Bela Artes em 1925, com o retrato de Viçoso May.

Em 1920, com vinte e oito anos, deslocou-se ao Brasil onde foi distinguido com a medalha de prata numa exposição individual efectuada no Rio de Janeiro. 

Em 1939, na Exposição Internacional de São Francisco, foi distinguido com a aquisição do quadro que apresentou no certame organizado pela Business Machine Corporation e que reuniu representantes de 79 países.

Durante a maior parte da sua vida em Ponta Delgada, residiu na antiga Rua Papa Terra, em frente à Escola que hoje ostenta o seu nome, a actual Escola Secundária Domingos Rebelo, desde 1 de Janeiro de 1979 - em três momentos distintos se fez sentir a presença do pintor: primeiro como aluno, depois como professor e ainda como director. Foi ainda professor de desenho do então Liceu Nacional de Ponta Delgada.

Em 1942 Domingos Rebelo estabeleceu-se definitivamente em Lisboa, onde completou a obra a fresco iniciada pelo pintor Sousa Lopes (quatro dos sete painéis que decoram o Salão Nobre da Assembleia da República).

Em 1950 percorreu várias cidades italianas como bolseiro do Instituto de Alta Cultura. De regresso a Lisboa pintou os frescos da Igreja de São João de Deus e ainda inúmeros quadros hoje espalhados por museus, Igrejas e casas particulares no Continente. Voltou por várias vezes aos Açores para executar obras ecomendadas por instituições públicas ou particulares, como os frescos que servem de fundo às salas de audiência dos Tribunais de Angra do Heroísmo e de Ponta Delgada.

Fazem parte da obra do artista composições para tapeçarias que figuram na cidade universitária de Coimbra, bem como miniaturas em barro de cariz etnográfico que se encontram no Museu de Ponta Delgada. Foi director da Biblioteca e Museu do Ensino Primário em Benfica. 
Expôs no Estoril onde obteve a 1ª medalha em aguarela.
Foi membro da Sociedade Nacional de Belas Artes de que foi director e vogal da Academia Nacional de Belas Artes entre 1947 e 1970 e a partir dessa data vogal honorário. Domingos Rebelo faleceu em Lisboa no dia 11 de Janeiro de 1975.

Domingos Rebelo foi um homem que orientou a sua vida segundo princípios morais e religiosos muito rigorosos; foi um homem que procurou a verdade e a tranquilidade da sua consciência, através da arte.


"Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é Amor." 1 João 4;8